Ciclopes

Ciclopes (50 pontos)

Modificadores: ST+5, IQ-1, HT+2.

Vantagens: Visão Noturna (10 pontos); Visão Aguçada +3 (6 pontos).

Desvantagens: Ciclope (Fantasy Folk, pág.83 -5 pontos); Timidez Suave (-5 pontos); Destino: morte heróica (detalhe: sabem quando e como vai ocorrer; -5 pontos); Dying Race (raça em extinção, -10 pontos); Tamanho Inconveniente (-10 pontos).

Peculiaridades: Evitam de falar sobre suas mortes com outras raças (-1).
Obs.: Estes são os Ciclopes baseados no indivíduo da raça visto no filme Krull.

ciclope-krullCiclopes são seres similares à humanos, com três importantes diferenças: são mais altos e corpulentos, mais pesados e possuem apenas um olho. Os Ciclopes descendem de uma raça ancestral aos humanos em parentesco, por isso conservam tantas semelhanças físicas. Suspeita-se que eles também sejam parentes dos Gigantes, embora que nenhum indivíduo afirme tal hipótese. Apesar disso, tem-se conhecimento de Gigantes Colossais que também são Ciclopes, mas nunca se realizou um estudo sério que constate relação consangüínea entre ambos.
Ciclopes são bem mais altos e pesados que humanos de mesma ST: defina a altura antes da ST modificada e acrescente 40% à altura e dobre o peso do Ciclope. Eles são tímidos, solitários e raramente são encontrados em grupos. As mulheres da raça são um tanto raras, assim como as crianças. Muitos camponeses temem sequer a visão distante de um membro desta raça, por julgarem ser um sinal de maus presságios. Mas isso não está muito longe da verdade.
Eles eram um povo instruído e próspero, que viveu há várias centenas de anos, e surgiram antes mesmo das civilizações humanas terem começado a se desenvolver. Eles já dominavam diversas técnicas de construção, agricultura e medicina antes que outras raças do mundo chegassem a descobrir a roda. Era uma civilização fértil, assolada por poucas doenças e escassos crimes em suas cidades, rivalizando até com os Elfos em prosperidade. Praticavam a magia e seus magos conheciam muitos segredos arcanos.
Um desses segredos possibilitava conversar diretamente com os deuses.
Os magos e religiosos da raça, há muito tempo, decidiram fazer uso de tal conhecimento para facilitar ainda mais a evolução de seu povo. Num ritual que durou alguns meses, conseguiram estabelecer um poderoso contato com um antigo deus, quase totalmente desconhecido, mesmo entre muitos elfos anciãos. Muitas oferendas e cerimônias foram oferecidas à divindade, que aceitou as honras e louvores de bom grado. A entidade, então, questionou o motivo de ter sido convocado com tantos cuidados. Os principais responsáveis pelo ritual responderam pedindo pela graça do deus, concedida a eles na forma de sabedoria.
A divindade aceitou o pedido, mas expressou desejar uma parte de seus corpos a troco da virtude almejada. Os magos concordaram em oferecer um de seus olhos. E assim foram amaldiçoados.
A entidade convocada, era, na realidade, um demônio de uma época remota, cujos indícios de seu culto e de seus seguidores foram perdidos ou destruídos por sacerdotes rivais.
Ao fazer a barganha, os ancestrais dos Ciclopes foram enganados: a troco da remoção de um de seus olhos, todos os indivíduos daquele povo receberam o conhecimento do dia de suas mortes, impossível de ser ignorado. Todos os membros da raça passariam a nascer, a partir daquele dia, com a sabedoria antecipada da morte. Como ironia final, o demônio definiu, ainda na maldição, que esta morte ocorreria em algum momento crítico de suas vidas, talvez sendo de pequena importância para seres de outras raças.
A civilização entrou em colapso, os cidadãos revoltaram-se com os realizadores do ritual, e, assim, espalharam-se pelo mundo.
Atualmente, poucos membros desta raça perambulam solitários, evitando contato ou conflitos com outras raças. Os Ciclopes (aliás, estes Ciclopes) estão se extinguindo. Talvez, como mais um golpe irônico do traiçoeiro demônio que os enganara. Mas o fato é que muitos Ciclopes anunciaram seus dias derradeiros bem antes da puberdade, e muitas mulheres da espécie revelaram entre si que morreriam antes de gerarem o primeiro filho. A maioria da raça parece não se abalar com isso, posto que muitos desejam alcançar logo seus dias derradeiros para, quem sabe, descansarem seus espíritos.
Em relação à outras raças, Ciclopes nunca falam sobre esse passado, resguardando-se para manter estritos interesses comerciais ou cooperativos. Muitos já acompanharam caravanas, oferecendo serviços de guarda e braçais, indo embora em poucos dias, sem deixar pistas. Como já foi expresso, não há cidades ou vilas de Ciclopes, e eles não se interessam por quaisquer religiões, preceitos políticos ou filosofias.
Como remanescentes de uma civilização de NT 3, Ciclopes costumam vestir-se com as roupas, armaduras e armas respectivas. Muitos adquirem seus pertences por meio de negociações com Centauros, Anões, Gnomos ou Elfos.