Erahu

(uma tradução livre do artigo publicado originalmente por David M. Kilpatrick).

Os Eridani ou Erahu (taxonomia Homo Eridanus), como chamam a si próprios, são uma raça de seres que habitam o mundo crepuscular de Nehoa’Eh, que orbita a estrela 40 Eridani. Outrora uma raça guerreira, depois da Guerra da Loucura eles tornaram-se uma raça de idealistas estoicos dedicados a proteger as raças mais jovens das atrocidades que podem vir a ocorrer quando outras raças aprendem muito, e rápido demais.

Os Erahu assemelham-se muito à humanidade na compleição, sobretudo no tocante à altura e forma. Eles são humanoides comuns, com dois braços, duas pernas, cinco dedos em cada pé e mão. Fisicamente um Erahu aproxima-se do padrão humano da altura e constituição, diferindo-se dela apenas nas cores da pele, cabelos e olhos. O gênero masculino típico atinge cerca de 1,70m a 1,98m de altura e pesa até 90 quilos, enquanto as mulheres da raça medem de 1,65m a 1,90m, pesando por volta de 68 quilos.

Os tons de pele dos Erahu geralmente variam do cinza arenoso ao cinza escuro quase carvão, com tonalidades entre ambos o tom mais comum. A cor de seus olhos é um vermelho semi-luminescente universal. O cabelo dos Erahu cresce num natural bico de viúva na fronte e é tipicamente usado com longa trança atrás da cabeça; as cores dos cabelos variam do cinza claro ao preto com raros casos de branco. A genitália dos homens e mulheres da raça compartilham semelhanças à dos humanos e os Erahu possuem complexos rituais de acasalamento, muitas vezes considerados altamente eróticos por outras raças. Erahu possuem 5 dedos em cada membro, com unhas similares às dos humanos em suas extremidades.

As roupas típicas entre a população segue estilos práticos e funcionais, como calças e túnicas para homens e tops com calças curtas para as mulheres. Ambos os sexos vestem botas de couro leve até o joelho, com o costume de amarrar seus cabelos atrás da cabeça com laços.

Eles são nativos de um mundo temperado com gravidade 1.1 G, com uma temperatura média de 27 º C e de atmosfera ligeiramente com pouco oxigênio, a uma pressão de .80.

Vantagens e Desvantagens

Erahu têm DX +1 (10 pontos), HT +1 (10 pontos), e IQ +2 (20 pontos). Sua fisiologia geneticamente alterada lhes dá 12 níveis de Audácia (24 pontos), 3 níveis de Duro de Matar (15 pontos), e Imunidade (10 pontos). Eles naturalmente têm Recuperação Física lenta (10 pontos, recuperam 1 ponto de HT/12 horas), Infravisão (15 pontos), Sono Leve (-5 pontos, precisam fazer testes de vontade para dormir ao menor ruído), Ciberrejeição (-10 pontos), Daltonismo (-10 pontos), Dependência: sangue (-50 pontos), Estigma Social: raça de “vampiros”, -5 pontos), e Longevidade (5 pontos).

Ser um personagem Erahu custa 39 pontos.

Nomes

Erahu seguem uma simples convenção de nomes consistindo no nome pessoal e a palavra “do” (que significa “vindo de”, “oriundo de”), anexado ao nome do local de nascimento do indivíduo, ou estação do ano de nascença. Entre os nobres, porém, isto sofre alterações – o segundo nome segue o nome de nascimento da mãe. A maioria dos nomes da raça segue a norma padrão da linguagem Erahu, favorecendo os sons vocálicos ah e u com a consoante n. Alguns exemplos são: Nehala do’Nahale ou o nobre Erahn do’Ehnana.

Psicologia

Os Erahu podem ser melhor descritos como uma raça de guerreiros poetas, uma espécie dedicada a ajudar as jovens raças da galáxia a superar as atrocidades e equívocos de seus progenitores. Calmos, controlados e sujeitos a certos ímpetos, os Erahu podem fazer amigos ou inimigos rapidamente, dependendo de como são tratados.

A história Erahu que antecede a Guerra da Loucura é obscura. Muitos registros foram perdidos durante os conflitos e épocas de revoltas. O que é sabido, no entanto, é que a sociedade moderna atual é muito mais pacífica que a anterior. Os poucos registros que outras raças guardam do período bélico descrevem os Erahu como tenazes guerreiros que podem travar combates sangrentos a qualquer custo; inclusive esta tendência parece ter feito a raça como um todo chegar perto de seu fim.

Agora, contudo, os Erahu tendem a agir com bondade e justiça ao lidar com outros, aceitando as falhas e erros das pessoas como parte integrante da individualidade de cada um. Mas isto custou um alto preço.

Milhares de anos atrás, quando seu mundo era verde e a nova raça dos Erahu ainda não havia surgido, os ancestrais mantinham uma sociedade patriarcal belicosa. Homens lutavam nas guerras, mulheres cuidavam dos bebês e debatiam novas formas de guerrear. Milênios mais tarde, uma reviravolta de gêneros tomou conta. As mulheres da raça, agora, agem como seus opostos ancestrais; uma verdadeira sociedade matriarcal existe, hoje. A população masculina é estoica e prefere seguir do que dar ordens, mas alguns homens da raça nascem com o bastante da linhagem antiga Erahu em seus genes e acabam sendo líderes. Esta tendência, porém, é rara nos homens, e atualmente as mulheres lideram em maioria.

Ecologia

Os Erahu descendem de primatas arborícolas selvagens, que subsistiam de sangue e pequenas quantidades de carne fresca. Aproximadamente 10 mil anos atrás a sociedade Erahu original estava em NT 6. Registros de uma sociedade anterior não podem ser encontrados e nenhuma evidência de fósseis pôde ser recuperada dos ancestrais no período entre os primatas originais e os cidadãos antes da Guerra da Loucura.

Nehoa’Eh era um planeta frondoso coberto totalmente por florestas tropicais; hoje há apenas um grupo de florestas que se estende ao longo da faixa equatorial planetária. O resto do planeta foi calcinado pelas frotas invasoras durante o Tempo da Loucura, aproximadamente 7 mil anos atrás. Isto, felizmente, mudou e onde havia selvas (e depois terra queimada) é hoje composto por belas pradarias e várzeas. A engenharia ambiental feita após à guerra devastadora é considerada, atualmente, um dos maiores feitos de terraformação já executados.

A dieta dos Erahu é bem parecida com a do vampiro mitológico das lendas da Terra, tanto que muitos humanos irão se recusar a comer socialmente com um Erahu. Eles precisam de cerca de 2 litros de sangue por semana e 200 gramas de carne, preferivelmente crua. Esta dieta é consumada a partir de um pequeno animal doméstico chamado “meklik”, o qual costuma ser criado unicamente para este objetivo.

Os Erahu são uma raça longeva, vivendo cerca de 160 anos. Os jovens da raça atingem a maioridade aos 25 anos e começam a envelhecer aos 100.

Cultura

Um dos maiores fatores de distinção da cultura Erahu em relação a outras raças é que possuem uma cultura totalmente matriarcal. As mulheres assumem tradicionais papéis masculinos na sociedade, sendo as guerreiras, construtoras e pensadoras. Os homens tendem a assumir funções mais femininas, como cuidar dos mais jovens, educando-os, mantendo o lar e cuidando de serviços e necessidades domésticas.

Isto não é nenhum prejuízo cultural; de fato, os homens são encorajados a tomar parte em outros aspectos da sociedade. Em contrapartida, a maioria da população masculina ainda contém algum traço biológico de subserviência à autoridade incutido pela engenharia genética nos super guerreiros da época da Guerra da Loucura. Isto gerou um traço masculino racial um tanto submisso em relação às demandas daqueles que são assertivos e é um fato bem conhecido que as mulheres Erahu podem ser muito assertivas.

A cultura Erahu tem bases em tradições e ritos. Um dos pais (ou ambos) ensina aos jovens em casa todas as habilidades necessárias para ter sucesso no trabalho de baixa qualificação. Ao atingir a maioridade, o jovem Erahu dispõe de muitas escolhas para seu futuro. Eles podem seguir carreira militar, que lhes proverá por toda a vida, ensinando-lhes a ser os melhores soldados. Alternativamente, um jovem Erahu pode escolher dedicar-se aos estudos. Graduação superior não tem nenhum custo a não ser a especialização constante. Uma falha durante a formação de um estudante resultará em expulsão da escola e a condenação a uma vida entre as massas de mão-de-obra barata.

Política

gayaliendudes3Os Erahu escolhem ter uma posição de conselheiros na política galáctica, nunca ativamente pressionando ninguém a tomar uma direção, apenas oferecendo conselhos. Os conselhos dados às jovens raças tendem a ser ouvidos com atenção.

Pouco se sabe sobre a política interna da raça, a não ser sobre um sistema semi-feudal que funciona com nobres respondendo a uma figura alusiva à de uma Imperadora conhecida apenas como “Dama Negra”. Aparentemente imortal, ela guia o conselho dos anciãos que governa os Erahu por quase 5 mil anos. Ela é, atualmente, a cientista que criou o programa de alteração dos super soldados que modificou os homens Erahu, conduzindo o processo de criação forçada de novos espécimes. Em meio ao desespero pelas perdas causadas pela guerra, seu povo a convenceu a utilizar o processo, fazendo dela a única mulher da raça que se submeteu ao experimento. Isso a transformou num ser imortal.

 – Ideias para aventuras –

Os Guardiões do Amanhã: guerreiras Erahu misteriosas guardam os segredos da arcaica cidadela de Ne Nagada, o “Vale do Silício” dos Erahu. Elas são mulheres envoltas em véus diáfanos de uma cintilante energia cinzenta. As guardiãs são silenciosas e não demonstram um traço de temor, e não carregam outras armas além de espadas cintilantes e escudos feitos de energia pura. Elas são inclementes com intrusos… exceto uma, a própria Dama Negra. Quais segredos do passado sombrio da raça estão enterrados ali, ou seria melhor deixá-los enterrados?

A Frota Sombria: Registros são recebidos descrevendo naves de arquitetura Erahu realizando ataques a comboios na fronteira. Sobreviventes relataram assaltos feitos por grupos compostos inteiramente por homens Erahu que lutaram com força e selvageria sobre-humanas. Quem são tais piratas? Eles são mercenários? Ou são relíquias do passado?

O Fator Matusalém: Se a Dama Negra adquiriu imortalidade por meio do processo de alteração genética que criou os super soldados, o que houve com essa tecnologia? Outras mulheres da raça chegaram a usá-la? Ou será que tudo não passou de obra do acaso?

Fonte: revista Pyramid, 16 de Junho de 2000.

Anúncios