Giganthropus

(artigo escrito originalmente por Steve Jackson, com algumas adaptações).

Giganthropus é uma extinta raça de enormes hominídeos que é, ainda atualmente, desconhecida pela ciência. Eles viveram na África entre 1 e 2,5 milhões de anos atrás, e portanto eram contemporâneos ao Homo habilis e Homo erectus. É bem possível que espécimes tenham sobrevivido até os dias do homem de Neanderthal e mesmo na época do Cro-Magnon.

Os Giganthropus são onívoros, mas têm predileção por carne crua. Para outros hominídeos, ou mesmo o ser humano atual, eles lembram ogros com sua aparência que lembram gigantes homens-macaco. Com sua dieta desordenada, Giganthropus  consomem tudo exceto ossos e restos, chegando a quebrar os ossos para comer o tutano. Esta é a razão pela qual nenhum fóssil de sua espécie foi encontrado: essas criaturas também devoravam seus próprios mortos!

A altura média de um Giganthropus é de aproximadamente 2,10 m para homens e de 1,80 m para mulheres. Porém, eles não são troncudos como os gorilas, mas até um tanto esbeltos e musculosos. O corpo é esparsamente coberto por pelos negros ou avermelhados; a pele é bronzeada. A testa é estreita e inclinada, mas a mandíbula é bem pesada, com caninos e incisivos proeminentes. Os braços são longos e as mãos são fortes.

Giganthropus é capaz de usar ferramentas, embora que as únicas capazes de produzir sejam grosseiras clavas de madeira e osso – eles não trabalham com pedra. Eles caçam animais em rebanhos ou pequenos primatas; podem correr atrás de uma vítima e esmagá-la com uma clava, ou apenas caminhar incansavelmente atrás de sua presa até que ela sucumba de exaustão. O primata agigantado pode arremessar pedras para nocautear presas em árvores, e pode carregar uma para tal propósito, mas eles não compreendem o conceito de “recipiente”, assim depende em grande parte do que puder encontrar para usar como projétil.

Uma tribo de Giganthropus pode ser composta por qualquer número entre 4 ou algumas dúzias de indivíduos. Machos caçam cooperativamente. Quando eles se mudam para um novo território, seu primeiro alvo será outros quase-humanos que podem competir por alimento. “Existência pacífica” não está em seu vocabulário, eles matarão e comerão seus concorrentes, tratando fêmeas e jovens como iguarias especialmente saborosas.

Eles até farão prisioneiros, mas apenas com o intuito de devorá-los mais tarde. Um solitário Giganthropus  pode ser capturado e subjugado, ou um jovem membro da raça pode ser criado por outra espécie, mas uma tribo de imensos homens-primatas oferece grandes perigos se estiver nas proximidades.

Vantagens e Desvantagens

O Giganthropus tem ST+6 (80 pontos), IQ-4 (-30 pontos) e  HT+2 (20 pontos). Eles têm a Vantagem Prontidão +1 (5 pontos). Eles têm as Desvantagens Distração (-15 pontos) e Envelhecimento Acelerado x2 (-40 pontos, GURPS Supers, pág. 48), e não podem aprender nenhum idioma em NH maior que 8 (isso é equivalente à Desvantagem Dislexia, mas suas penalidades dependerão do NT do cenário em que o Giganthropus está). É bem comum encontrar outras Desvantagens como Mau Humor, Fúria e Gula em alguns membros da raça, que é combativa e tenaz. Eles também não possuem nenhuma habilidade matemática. Aptidão Mágica seria ilógico. O custo para criar um personagem Giganthropus é de 20 pontos.

Observação: a Desvantagem Primitivismo (Módulo Básico, pág. 26) não foi considerada no cálculo por depender da definição do NT do cenário de jogo.

Eles atingem a puberdade aos 10 anos; são considerados velhos aos 20 e assim começam a realizar os testes de envelhecimento. Aos 25 anos, os testes são feitos a cada 6 meses; aos 30, mensalmente.

– Ideias para aventuras –

Giganthropus podem ser usados em muitos gêneros de rpg. Em um cenário de ficção-científica, eles podem ser uma raça de monstruosos e primitivos homens em uma selva ou mundo glacial. Em uma campanha de fantasia, podem tornar-se uma horda de algozes e saqueadores capazes de intimidar até aos Orcs. Em um cenário na década de 1930, podem ser uma “raça perdida” descoberta por exploradores em territórios africanos ou sul-americanos. Ou, talvez, em um cenário futurista (tipo Gamma World), os Giganthropus podem vir a ser um bando de carniceiros mutantes…

Fonte: revista Roleplayer #17, Novembro de 1989.

Anúncios